A importância da capacitação para o trabalho como freelancer

(Última atualização em: 14 de dezembro de 2016)

O número de profissionais que optou por assumir a liberdade e os riscos do trabalho como freelancer cresceu no Brasil e por um bom motivo: as empresas estão em busca do serviço de autônomos criativos e qualificados.

Afinal, o mercado de trabalho brasileiro mudou muito nos últimos anos. Novas profissões surgiram, e as antigas passaram e têm passado por várias transformações. Empresas se adéquam às novas tecnologias e transferem suas estratégias de marketing — e muitas outras atividades também — para o ambiente digital.

Profissionais de TI, designers, tradutores e produtores de conteúdo, profissionais das áreas de marketing, manufatura, administração, finanças e direito são os mais procurados no país, nessa ordem. É um leque de profissões muito mais variado do que você imaginava, certo?

Para que você fique por dentro das vantagens e dicas para ser um freelancer capacitado, sendo um profissional mais livre e saltando na frente da concorrência, fizemos este texto. Leia até o fim e saiba como começar!

Vantagens, desvantagens e o diferencial competitivo do trabalho freelancer

Converse com qualquer profissional freelancer: pessoas que procuram liberdade no trabalho, criando sua própria rotina e ganhando por produtividade não costumam se arrepender de terem escolhido esse jeito de trabalhar. Muitos começam essas atividades quando estão desempregados e nunca mais voltam à rotina do escritório de uma empresa, das oito da manhã às seis da tarde.

É claro que a renda do freelancer varia muito conforme a procura pelas suas atividades, o que pode significar ganhar muito bem em um mês e bem menos no mês seguinte. Isso torna um bom planejamento financeiro muito importante.

Além disso, profissionais pouco qualificados ou desorganizados não costumam durar muito no mercado. Se a sua intenção é trabalhar como freelancer, comece a treinar sua disciplina e organização e, principalmente, invista em capacitação e formação técnica na área que pretende escolher.

Os cursos profissionalizantes são uma ótima opção

É claro que a faculdade tem um grande valor no crescimento pessoal e aprendizado profissional de todos nós. Mas você há de convir que ela oferece uma formação bem genérica e, sozinha, não prepara um profissional devidamente para o mercado de trabalho.

Além do mais, enfrentar trânsito, gastar com transporte e alimentação e se deslocar todos os dias em horário de pico é um esforço muito grande para a maior parte das pessoas. Algumas, inclusive, moram em pequenas cidades que simplesmente não têm uma universidade.

Os cursos profissionalizantes, por outro lado, têm uma proposta de conteúdo mais enxuta, tomam menos horas diárias do estudante e oferecem conhecimento mais aplicável e com retorno financeiro mais imediato.

Além disso, muitos deles podem ser feitos sem sair de casa. O Ensino a Distância (EAD) a cada dia se confirma como tendência entre profissionais das mais diversas áreas que buscam começar uma profissão ou aprimorar seus conhecimentos.

Investir nesses cursos faz muita diferença para o currículo de um freelancer, já que mostra não apenas que ele adquiriu formação na área em que atua, como também que tem interesse em se aprimorar e buscar novos conhecimentos.

Esse tipo de curso é a opção preferida das empresas para oferecer treinamento para os seus funcionários internos, o que mostra que eles são exatamente o que elas esperam dos seus colaboradores.

E você, como freelancer, pode ter certeza de que vai ser submetido aos mesmos critérios de seleção que são utilizados para contratação de funcionários internos dessas empresas.

A importância dos cursos específicos e como aproveitá-los melhor

Ainda mais direcionados que os profissionalizantes, os cursos específicos talvez sejam a melhor maneira de melhorar a qualidade do seu trabalho como freelancer. Veja por quê:

Eles ensinam por projeto

Se forem elaborados cuidadosamente, eles vão ser práticos, ligados a áreas específicas e moldados para resolver problemas reais do seu dia a dia como autônomo.

Mas fica a dica: se optar por um desses cursos, avalie se a estrutura didática dele é feita por projeto, isto é, se ela busca te ensinar a resolver um problema te expondo a ele já durante as aulas. Dessa forma, tudo fica muito mais prático, não é mesmo?

Eles são específicos e resolvem problemas reais

Um bom exemplo: vamos supor que você queira trabalhar como designer freelancer. Você tem formação acadêmica na área ou em alguma área relacionada, mas não se sente pronto para colocar a mão na massa e sair por aí, divulgando os seus serviços e pegando trabalhos “freela” de banners e cartazes virtuais ou impressos.

Bom, a primeira coisa a fazer é descobrir de onde vem essa insegurança. Você não domina os softwares de edição de imagem a ponto de criar rapidamente utilizando-os? Falta conhecimento sobre alguma área específica, aquela lacuna que prejudica a sua visão de todo do trabalho de designer? Quer aprender como criar imagens para as redes sociais, mas não sabe os padrões e formatos requeridos?

Quando tiver a resposta para essas perguntas, basta começar a investir seu tempo em cobrir essas lacunas: cursos de Photoshop, CorelDraw ou InDesign (dependendo da sua área de atuação, até mesmo os 3 softwares podem ser úteis), cursos de criação de imagens e anúncios para Facebook, produção de telas para vídeos, modelagem 3D, entre outros. Mesmo para um pequeno exemplo como esse, as opções são inúmeras.

Muitos podem ser feitos online

E o melhor, com certeza, é adquirir toda essa especialização e conhecimento sem gastar muito tempo, fazendo cursos de casa mesmo. Bom para quem já trabalha ou pretende trabalhar como freelancer ou mora em uma pequena cidade e não tem opções de cursos presenciais como esses.

Ou, ainda, para quem vive em uma grande cidade, mas não está disposto a perder várias horas do dia — e um bom dinheiro do mês — com deslocamento.

Agora ponha-se no lugar do seu futuro empregador. Se ele tiver a opção de contratar um profissional freelancer qualificado, com habilidades práticas, vários cursos na área e compreensão teórica daquilo que faz, por que preferiria empregar um funcionário interno e arcar com todos os custos que isso acarreta?

Invista na sua carreira freelancer e comece agora mesmo a aprimorar seus conhecimentos, criar um portfólio ou currículo virtual e fidelizar seus clientes, planejando uma carreira com liberdade de horários e rotina e a possibilidade de ganhar pela sua produtividade. Tudo isso sem passar a maior parte do dia num escritório ou indo e voltando dele!

Assim você aproveita o tempo que sobrou para se dedicar a outras atividades produtivas, como deixar o seu comentário contando pra gente suas dúvidas sobre o trabalho como freelancer e algumas boas experiências no ramo!

  • Bruno Lima

    Muito bom esse post, hj mesmo voltei a trabalhar no escritório da empresa onde trabalho e pude sentir a diferença que é, poder levantar (claro sem exageros) a hora que quer, e já se sentar na sua cadeira e começar a trabalhar, do que ter que perder 4 horas do meu dia com locomoção.

    Estou estudando e trabalhando muito para poder me tornar um freelance, ou empregado remoto de alguma empresa!!

  • Alex Antonio

    Muito bom o post, Leonardo.
    Estou estudando na Alura, e já tinha uma base de conhecimento para trabalhar free, mas ainda não possuo portfólio.
    Tenho uma dúvida, seria mais válido que criasse exemplos de trabalhos e projetos e publicar em um github como portfólio, ou realmente pegar alguns projetos mesmo que a um preço bem abaixo para que possa construir um portfólio?

    Obrigado pelo post.

    • Oi Alex, realmente o portfolio é um problema para profissionais de tecnologia. Os que estão iniciando tem dificuldades em ter um conjunto de trabalhos e os mais antigos enfrentam a dúvida de quais são os melhores trabalhos a serem expostos. No seu caso o ideal é buscar mesclar, busque parcerias com ONGs e organizações que possam precisar do seu trabalho, assim você consegue pegar casos da vida real e montar um portfolio que te ajude além de tudo a enfrentar problemas existentes no mercado, porém também aproveite para criar projetos pessoais onde você pode experimentar com as tecnologias que gosta. Obrigado pelo comentário um abraço, bons estudos e boa sorte com o portfolio.

  • Carolina Pacheco

    Muito show o artigo, Leonardo!

    Seus conselhos vieram em ótima hora, tenho certeza de que irão me ajudar muito daqui para frente.

    Forte abraço e sucesso!

Próximo ArtigoPasso a passo: como ser um freelancer de design!