Alura entrevista: Julius Lima, criador do Wingbirds

(Last Updated On: 1 de agosto de 2016)

A área de desenvolvimento de jogos é algo que atrai o interesse de muita gente: fazer algo divertido e ganhar dinheiro com isso é algo realmente bacana. Mas o que é necessário para desenvolver um jogo? Preciso fazer uma faculdade? O que preciso aprender?

Essa semana entrevistamos o Julius, um aluno da Alura lá de Brasília. O Julius é o responsável pelo desenvolvimento do Wingbirds, um jogo para Android inpirado no famoso Flappy Bird. Atualmente desempregado, ele usa o tempo livre de forma extremamente produtiva: estuda para prestar concurso e pega firme para aprender desenvolvimento Android.

Aos 40 anos, o Julius nos contou que ele ainda é um novato na área. Algumas pessoas às vezes tem um pouco de receio de começar a desevolver depois de uma certa idade, mas para ele e isso não é empecilho não!
Confira a seguir o bate-papo que tivemos com ele 🙂

Fala Julius, beleza? Diz pra gente o seu nome completo, por favor.
Julius de Sousa Lima

Mora em qual cidade atualmente?
Brasília, DF.

Estuda? Qual instituição e curso?
Estudo para concurso.
IMP concursos.
E no momento, estou procurando me desenvolver profissionalmente na criação de aplicativos para Android.

Trabalha atualmente? Qual o seu cargo?
Não. Estou desempregado. Trabalhava com manutenção de máquinas hospitalares.
Sou Técnico em Eletrônica e recentemente, me formei em Análise e Desenvolvimento de Sistemas.

Como foi seu contato com a área de TI?
Sempre gostei de computadores, informática, desenvolvimento, montar, desmontar, entender…
Na década de 80 fiz por curiosidade, um joguinho do tipo Enduro usando o GWbasic (o Basic), na tela “verde” de um PC XT da IBM e lamento muito, por nunca ter procurado me desenvolver nessa área.
Mas hoje a “coisa toda” é muito diferente.

Em 2011, depois de trabalhar 14 anos com manutenção de máquinas hospitalares, entrei na faculdade de Análise e Desenvolvimento de sistemas pensando em programação como na época do PC XT e percebi que tudo havia mudado muito, os conceitos, a forma de trabalho, as necessidades, os ambientes… tudo!

E porque começou a desenvolver para Android?
Já conhecia o sistema operacional Android por causa dos smartphones que sempre usei. E associei de certa forma a “liberdade” que o Android dá, com a “liberdade” das distribuições Linux que uso e que permitem uma interação com um ambiente em desenvolvimento constante. Dessa forma, a vontade de aprender a desenvolver foi crescendo cada vez mais.

Seu objetivo aprendendo Android sempre foi criar jogos?
Não só jogos, mas aplicativos úteis e que possam ajudar.
O WingBirds foi o primeiro aplicativo e o primeiro joguinho que desenvolvi. Fiz na “mãozona”…sem frameworks, apenas com o Android Studio. Achei muito legal o resultado desse primeiro trabalho.

Gosto da ideia de criar jogos pela possibilidade de colocar minha imaginação para fora e de certa forma mostrar para os outros o que penso, como penso e o que considero importante, criando apps que possam entreter, animar e ensinar.

Por optou por Android e não outra plataforma?
Acho que o Android tem mais abertura e flexibilidade para o desenvolvimento de aplicativos de o uso corriqueiro e também maior alcance em diversos níveis. Considero que o aspecto “liberdade” pesa muito quando se pensa em globalização e compartilhamento.
Além de me parecer uma excelente opção para início de carreira na área.

Quais foram as maiores dificuldades que você teve durante toda a sua trajetória? Ou seja, desde seus estudos até o desenvolvimento do seu jogo
A maior dificuldade é pessoal… a falta de apoio. Estou mudando de área num momento não muito favorável a isso.
Outra situação é a falta de experiência, com tempo de serviço em outra área, e a idade. O mercado não quer se arriscar e a única opção que resta é se desenvolver por conta própria e mostrar serviço.
Já com o aprendizado e profissionalização, a dificuldade é prevista. Basta estudar e se interessar. E nesse ponto não falta disposição e reconheço, até certa facilidade em aprender.

Quais são seus planos para o futuro?
A verdade é que comecei há pouco tempo na área. Estou conhecendo ainda o mundo do desenvolvimento.

Nessa construção de uma nova carreira, primeiro quero me aprofundar mais no Android e pouco a pouco nos outros sistemas. Desenvolver aplicativos úteis, comercializá-los e entrar no mercado de desenvolvimento com alguma parceria válida.

O desenvolvimento multiplataforma é inevitável. Alguns softwares desenvolvidos para dispositivos específicos acabam sendo “empurrados” para uma realidade mais abrangente e acabam sendo atualizados em diversas plataformas. Tenho grande interesse em começar a desenvolver com essa finalidade e logo vou procurar conhecer ferramentas e softwares que possam impulsionar meus conhecimentos e atuação nesse sentido.

Existem outros projetos que você está desenvolvendo ou pretende desenvolver atualmente?
Sim. Além das atualizações do WingBirds, vou desenvolver aplicativos comerciais, deliverys e outros com os quais possa iniciar um negócio.
O WingBirds foi um “startup” para meu desenvolvimento.

Para quem quer começar a fazer um jogo para Android, o que você sugeriria?
Existem opções diversas para se criar aplicativos comerciais em Android e em outros sistemas. Particularmente, acho que não são opções que lhe dão liberdade total de criação e limitam em vários aspectos.

Mas para jogos, existem várias ferramentas que ajudam no desenvolvimento de aplicativos Android. Antes de tudo, acho que a pessoa que tem interesse em começar a desenvolver jogos, tem que se preocupar em aprender alguma linguagem de programação que lhe seja útil. Na maior parte das vezes, é necessário o conhecimento básico de programação. E para que o profissional seja completo, isso é indispensável.

Então, procure por ferramentas que lhe permitam iniciar o desenvolvimento e que lhe dêem uma visão geral do ambiente de desenvolvimento, identifiquem a necessidade de uma linguagem que lhe permita continuar o trabalho e procure cursos específicos que possam lhe auxiliar nesse sentido.
Comecei com o Java na faculdade e posteriormente na Caelum, onde tive a oportunidade de conhecer um pouco mais sobre a linguagem. Quando iniciei com o Android no Alura, tinha uma boa noção da linguagem e isso me ajudou muito.
Todo o desenvolvimento do WingBirds foi feito com essas bases, sem outras ferramentas além do Android Studio.

Daqui para frente, claro, é fazer curso em cima de curso, aprender novas linguagens e ampliar minhas possibilidades.
Talvez, uma outra faculdade, o que com certeza ajuda muito. Além de cursos diversos, mesmo que online, a exemplo do Alura que nos oferece várias opções de aprendizado.

FIQUE POR DENTRO

Desenvolvedor e criador de conteúdo no grupo Caelum. Host do Alura Live.

Sempre aprendendo coisas novas e passando o conhecimento adiante.

  • Show de bola, estou começando estudar Android também, vamos ver se um dia faço um app desse nível haha

    Abraçooos

  • Reuter

    Nossa velho, estou totalmente inspirado agora, ao estudar programação me sinto um “lixo” por estar começando “tarde” aos 23 anos, mas agora me sinto renovado e desejo tudo de melhor sempre e sucesso para o Sr. Julius de Sousa Lima

Próximo ArtigoHerança em JavaScript