Banco de imagens: vale a pena comprar?

Uma imagem vale mais que mil palavras: este é um dos ditados mais conhecidos e verdadeiros ao redor do mundo. Muitas vezes, uma imagem correta pode ser a diferença entre sucesso e fracasso. O melhor texto pode não significar muita coisa se a imagem que o acompanha desvirtua completamente a escrita.

Então, sabendo que o contato visual é crucial na comunicação, ter acesso a um bom banco de imagens com certeza fará toda a diferença no trabalho final.

Escolher a imagem ideal para uma peça publicitária pode ser mais difícil do que se imagina. Não é apenas escolher a que condiz com a ideia: é necessário que a figura tenha boa qualidade (para sobreviver aos redimensionamentos) e, principalmente, capte a atenção e faça com que o observador realize uma ação.

Para ajudar na busca da imagem ideal, existem diversos bancos de imagens onde você encontrará planos de fundo, vetores, vídeos e fotos de diversos temas, além de poder solicitar a designers peças personalizadas. Quer saber como funciona e se vale a pena? Continue a leitura e descubra.

Fotografia ou banco de imagens?

Algumas pessoas acham que um banco de imagens seria o equivalente a contar com um bom fotógrafo ou contratar um estúdio de fotografia, mas são coisas muito diferentes.

Contar com fotógrafos ou uma agência encarecerá de forma considerável o projeto, pois envolve muitos custos adicionais como deslocamento, aluguel de espaço, modelos, maquiagem, entre outros fatores.

No banco de imagens encontramos gravuras prontas, o que torna o custo muito menor, até porque uma mesma foto ou imagem pode ser utilizada por mais de uma pessoa.

Naturalmente, na fotografia existe algo muito mais personalizado e exclusivo, o que pode ser um fator importante se o seu negócio depender disso (como para exibir produtos ou modelos vestindo suas roupas e acessórios, por exemplo), enquanto no banco de imagens o investimento é muito menor e a praticidade e diversidade muito maior.

Caso ache necessário, pode contratar um freelancer para editar as imagens, tornando a peça exclusiva e mantendo o baixo custo. Portanto, se você quer ter um baixo investimento, uma grande gama de opções e excelentes peças, utilize um banco de imagens.

Direitos autorais

É muito comum na internet encontrar sites que fazem uso das mesmas imagens. Em grande parte das vezes, elas são utilizadas sem os direitos de uso, o que pode acarretar diversos problemas para a empresa ou profissional, desde uma pequena reparação até condenação prisional, que está previsto na constituição.

No entanto, há esforços para reverter essa situação e fazer do uso de obras autorais algo que beneficie tanto o criador quanto o usuário. A Creative Commons é uma empresa não governamental nascida na Califórnia, Estados Unidos, que tenta revolucionar o mundo cultural no quesito “direitos de cópia”. Trabalha no intuito de permitir o maior número de compartilhamento de imagens e obras culturais sem ferir os direitos autorais.

Para isso, a empresa criou as licenças Creative Commons. Essas licenças foram criadas para padronizar as declarações dos artistas quanto ao licenciamento e distribuição de seus conteúdos. Assim, no que tange às imagens, você pode encontrar peças que possuam uma licença que permita o uso irrestrito delas, contanto que você dê os devidos créditos aos autores.

Também há modalidades onde o uso é limitado, ou seja, a imagem só pode ser utilizada em determinadas mídias ou não pode ser modificada. Em todos os casos, porém, tudo é uma questão de verificar com calma os direitos de reprodução das peças que deseja manipular.

Pagos ou gratuitos?

A grande maioria dos bancos de imagens oferecem os dois serviços. Os planos de imagens gratuitos contam com uma disponibilidade menor de imagens e qualidade oferecida é, em sua grande maioria, de menor qualidade.

Cada empresa utiliza critérios próprios para liberar as imagens gratuitamente, como por exemplo, inserir uma tag para identificar a origem da imagem, disponibilidade da imagem com baixa qualidade ou com marcas d’água, necessidade de se cadastrar e receber newsletter, etc.

Os planos pagos contam com uma quantidade muito maior, todas as imagens são de altíssima qualidade e disponibilizadas em diversos formatos e tamanhos.

Antes de escolher por qual opção inciar, que tal conhecer algumas opções? Para ajudar na procura e sanar essas dúvidas, trouxemos algumas opções de bancos de imagens gratuitos e pagos. Confira:

Bancos de imagens gratuitos

Pixabay

Com mais de 840 mil conteúdos incluíndo fotos, ilustrações, imagens vetoriais e vídeos, o Pixabay é uma das melhores alternativas para banco de imagens por se tratar de conteúdos livres de direitos autorais sob a licença Creative Commons CC0.

Everystockphoto

Sendo, na prática, um sistema de buscas em variados bancos de imagens, o Everystockphoto possui um acervo quase infinito sobre vários assuntos. Para facilitar a busca do usuário, os temas mais procurados ficam destacados na lateral do site.

Dreamstime

Com mais de nove milhões de fotografias, o Dreamstime contém uma enorme galeria de imagens. Ainda que seja um site gratuito, também podem ser encontradas imagens pagas. Outro detalhe interessante, é que no Dreamstime, fotógrafos podem vender suas artes e receber até 60% de comissão.

Freeimages

Com milhares de imagens no acervo, o Freeimages é famoso entre os fotógrafos profissionais. O site possui um repertório de mais de 300 mil imagens gratuitas, todas em alta qualidade e baixáveis com a condição de um cadastro (também gratuito, não se preocupe).

Bancos de imagens pagos

iStock

O iStock oferece milhares de imagens e fotografias únicas. Os usuários podem utilizar os créditos iStock, que são vendidos em pacotes, para baixar os conteúdos desejados.

Com uma navegação por categorias, o site facilita a busca e torna simples a procura dos clientes no meio de milhões de opções de imagens. Além disso tudo, o site está disponível em português brasileiro.

Fotolia

O Fotolia possui mais de vinte milhões de imagens. O site tem uma particularidade interessante: quanto mais você comprar, mais barato vai ficando o conteúdo. O Fotolia também é dividido em seções, além de disponibilizar uma ferramenta de pesquisa para facilitar a navegação. Um ponto negativo é que o site é totalmente em inglês.

Shutterstock

Um dos mais populares bancos de imagens da internet, o Shutterstock possui mais de trinta e cinco milhões de imagens em alta resolução e em formato vetorial.

Tal como o Fotolia, este site possui uma peculiaridade interessante: se o usuário possuir um site ou blog que tiver um número considerável de visualizações, basta mencionar de onde foram retiradas as imagens do post que poderá pagar um valor diferenciado. Além de tudo isso, o Shutterstock também conta com uma área para compra de vídeos.

Por onde começar?

Se você está começando agora ou se possui pouco dinheiro para investir, o mais indicado seria começar a trabalhar com imagens disponibilizadas gratuitamente. Outra boa alternativa é deixar o cliente escolher, incluindo o custo da imagem escolhida ao serviço prestado.

Ao ganhar experiência e aumentar a quantidade de clientes você pode migrar para um plano pago e conseguirá ter custos mais competitivos pelo volume. E por que não criar peças ou fotos, disponibilizar nesses bancos e aumentar a fonte de renda?

Nesse artigo você conferiu a diferença entre o uso de fotografias próprias e de banco de imagens, a importância de contar com imagens licenciadas em seus projetos e várias alternativas de bancos de imagens grátis e pagos. Agora é só escolher a melhor opção e atrair os seus clientes com belas peças!

Gostou do artigo? Tem alguma sugestão, reclamação ou elogio? Deixe a sua opinião nos comentários! Ah, aproveite também e assine a nossa newsletter para você receber mais conteúdos como este 😉

Fique por dentro

(Última atualização em: 18 de janeiro de 2017)

  • Thiago Sousa

    Parabéns pelo post. Esqueceu de mencionar o FLICKR.

  • jennifer

    Esqueceu de Pexels e Unsplash, a qualidade das imagens é incrível.

  • Flávio Alves Designer

    Eu uso bastante…

Próximo ArtigoAdicionando elementos na lista do Python: append ou extend?