Como montar um portfólio de Design

(Last Updated On: 12 de setembro de 2017)

Imagine que uma proposta de freelance, ou mesmo de emprego, surge e você precisa entregar seu portfólio para avaliação. Quando o cliente abre o portfólio, encontra algo mais ou menos assim:

Logo em seguida, este mesmo cliente recebe um portfolio mais ou menos assim:

Repare que, no primeiro caso, temos uma apresentação simples, não tão trabalhada e sem muitas informações relevantes, diferente da segunda. O primeiro candidato simplesmente inseriu seus arquivos na plataforma, enquanto o segundo, além de apresentá-los de uma forma organizada, acrescentou uma simulação e descrição da peça desenvolvida.

Pode parecer detalhe, mas aqui vai a pergunta: Se fosse você procurando um designer para desenvolver um projeto com você, qual apresentação teria mais peso? Considerando uma mesma proposta de valores, claro.

Existem diversas variáveis que nortearão essa escolha, mas, certamente, a apresentação do seu trabalho contará muitos pontos para um primeiro contato.

O portfólio, para o designer, é tão determinante quanto a apresentação de um currículo. Ou seja, uma boa apresentação demonstra seu profissionalismo e dedicação em apresentar seus serviços como os produtos ideais para aquele cliente e, consequentemente, influenciam na decisão final.

Não apenas isto, criar um portfolio online além de tudo te deixa visível (dependendo da plataforma) para que outras pessoas encontrem seu trabalho também.

Mas a maior dúvida é: Como criar um bom portfólio? Neste post vamos entender alguns passos essenciais para chegar a isso! 😉

Planeje o que irá exibir

Devemos primeiro ter em mente que nosso portfólio é nossa vitrine, portanto, assim como lojas usam estratégias para expor seus produtos de maneira atrativa para os consumidores, precisamos planejar o que queremos valorizar e o que podemos excluir da nossa apresentação.

Os melhores projetos

Comece selecionando os projetos mais relevantes até então em sua carreira, ou os que você mais valoriza (seja por algum apego afetivo, complexidade, etc). Considere apresentar entre 10 ou 15 projetos, mais ou menos.

Depois disso, alinhe as características que tornam esse projeto tão bom para ser adicionado em sua “vitrine”.

Definindo as principais características

O que você gostaria de contar sobre seu projeto?

Para ter uma definição mais precisa do que quer apresentar, faça um breve levantamento de tópicos relevantes a serem apresentados sobre o projeto escolhido, como:

  • Por que escolhi estas cores para a identidade visual da empresa?
  • Qual a motivação para este formato de logo?

  • Quais os pontos altos do projeto? As peças gráficas? A estratégia utilizada?

  • Que ferramentas utilizei, Photoshop, Illustrator, After Effects?

Este é o momento de adicionar e retirar ideias, até encontrar um roteiro enxuto e objetivo, que apresente seu produto de forma clara e eficiente, conceituando o que foi feito.

Podemos então começar a destrinchar o que foi levantado em etapas mais concretas, como: Definição conceitual, processo criativo, características, protótipos navegáveis, etc.

Cada projeto demanda de etapas diferentes a serem apresentadas, mas pode ser uma boa ideia utilizar no máximo 4 ou 5 divisões, para não deixar a apresentação muito longa também.

Porém, existem algumas etapas que poderão ser muito relevantes na maior parte dos projetos.

Contexto da produção

Pode ser interessante, logo no começo, fazer uma breve contextualização do que foi feito para chegar ao resultado final. A inspiração, conceitos trabalhados, ideia inicial, entre outras motivações que auxiliem na compreensão do projeto como um todo.

Processo criativo

Uma boa tática é mostrar, sucintamente, o processo que te levou àquele resultado. Temos bons exemplos como os da Andrea Avedissian e do Vinicius Sampaio, respectivamente, por exemplo:

Note que as intenções aqui ficam mais claras. Para o cliente que ainda não conhece sua forma de trabalho, entender a maneira como você organiza suas ideias pode ser uma boa ideia na hora de demonstrar seu estilo de trabalho.

Mockups

A percepção que temos de um arquivo apresentado de forma como o enviamos para uma gráfica, por exemplo, passa uma sensação muito mais abstrata do que quando aplicada à um mockup, ou seja, simulações do produto aplicado a um contexto. Veja este exemplo:

ARQUIVOS PERSONALIZADOS PARA ÁLBUM

MOCKUP DO ÁLBUM

Pode parecer algo trivial, mas note como esta simulação dá uma noção muito mais concreta da peça final.

E não precisamos nos limitar a imagens estáticas! Pode ser um recurso legal tentar alguns mockups interativos como gifs ou outras opções que deixem a apresentação mais interessante e convidativa.

O mais legal é que essa tática serve para projetos reais e também para trabalhos “fictícios” – como redesign de grandes marcas – ou mesmo projetos acadêmicos.

Outra alternativa é, se tiver acesso à sua peça final, expor fotografias e vídeos do produto, desde que bem produzidos, reforçando a ideia de profissionalismo com o trabalho concluído.

Outras considerações importantes

É importante deixar a apresentação dos seus projetos bem equilibrada, mas também é igualmente importante considerar pontos como a elaboração de um “Sobre mim” que resuma de forma clara e objetiva seus interesses e área de trabalho.

Neste ponto, quem define a linguagem a ser utilizada é você mesmo, mas as mesmas considerações que costumamos fazer em currículos – como evitar erros gramaticais ou muitas gírias, por exemplo -, cuide de sua descrição focando em passar uma imagem honesta e positiva de si mesmo.

Além disso, antes de publicar seus trabalhos, pense em questões como direitos autorais, categorias dos projetos, pessoas envolvidas, informações confidenciais, entre outros pontos que possam comprometer seus projetos futuramente.

Mas, onde criar meu portfolio?

Se fizermos uma pesquisa rápida no Google encontraremos uma série de plataformas muito boas para a produção de um portfolio de qualidade.

Mas, obviamente, cada plataforma terá diferentes características e limitações, portanto, é importante estudar um pouco as opções, antes de sair montando seu portfolio na primeira plataforma que aparecer pela frente.

Considere questões como:

  • Quero uma plataforma que também ofereça vagas de emprego relacionadas com a minha área?
  • Seria ideal ter uma página que posso personalizar o layout?

  • Estou disposto a gastar quanto?

Enfim, são muitos os pontos a se refletir antes de criar um portfolio, mas, independente da escolha, tenha em mente que a apresentação dos materiais criados será sempre um fator importante.

E você? Que caminhos costuma seguir para elaborar seu portfolio? Compartilhe aqui com a gente!

Para deixar seus projetos ainda mais atrativos e demonstrar suas diversas habilidades, apresente materiais feitos com diferentes ferramentas! Na Alura temos diversos cursos de Design sobre como trabalhar com ferramentas voltadas para materiais impressos, audiovisual ou mesmo de design para web.

FIQUE POR DENTRO

Próximo ArtigoReact, front end e o mercado