Diferença entre um briefing para design e para publicidade

(Last Updated On: 30 de julho de 2017)

Você já está cansado de perder o fio da meada ao longo do desenvolvimento de um job por conta de falta de informações fornecidas pelo seu cliente? Neste post, você vai conferir tudo que um bom briefing de design ou um briefing de publicidade precisam ter, de acordo com a área a qual ele atenderá.

É por meio de uma comunicação clara com o cliente que você terá ferramentas para fazer um bom trabalho, construir um bom portfólio, atrair freelas e ganhar mais experiência e credibilidade no mercado.

Mas qual a diferença entre um briefing para design e um briefing para publicidade? Apesar de serem setores bem próximos um do outro, essas áreas possuem especificidades. Está preparado para conhecê-las? Vamos lá!

Briefing para design

O briefing de design delimita os detalhes de um projeto que tem o papel de realizar uma comunicação estética específica. O design é uma ferramenta de resolução de problemas e é isso que faz com que o briefing de design seja tão importante. É ele que vai garantir que a mensagem correta seja passada e que o problema seja, de fato, resolvido.

Você, como designer, sabe bem que o nível de envolvimento do profissional dessa área com seus projetos, precisa ser grande. Afinal, é um trabalho de empatia. É preciso se colocar na pele do seu cliente e saber que, para pensar em soluções, você também precisa se colocar na pele do público-alvo.

Isso explica a importância do design na estratégia do cliente. Mais do que um simples prestador de serviços, o designer é um verdadeiro parceiro. Designer e cliente têm papéis relevantes para o sucesso do projeto.

Veja a seguir quais sãos os itens técnicos de um bom briefing de design e a importância de cada um deles.

Questões básicas

  • Informações base sobre a empresa contratante;
  • Posicionamento de mercado da empresa;
  • Informações sobre o consumidor ideal da empresa;
  • Informações sobre concorrentes.

Essas informações são o ponto de partida de qualquer projeto de design. Para desenvolver uma arte, você precisa saber transmitir o DNA da empresa em sua criação, atingir o público correto, garantir que a peça esteja alinhada com o mercado da marca e, ainda, com vantagem competitiva em relação aos seus concorrentes.

Caso seu cliente envie qualquer uma dessas informações de maneira muito rasa, encoraje sempre que ele se aprofunde e atualize todos os aspectos. Dessa forma, será possível realizar um projeto coeso com o histórico da empresa.

Detalhes estratégicos

  • Especificações sobre a estratégia da qual o projeto de design fará parte;
  • Os objetivos do projeto dentro da estratégia;
  • Os meios a serem usados para alcançar os objetivos.

O escopo do projeto é o item protagonista do briefing como um todo. Sua definição deve ser feita com cuidado, pois todos as próximas etapas do projeto vão depender dele.

Tópicos práticos

  • Orçamento, custos e materiais;
  • Plano de ação com prazos e prioridades;
  • Definição dos responsáveis por cada etapa do plano;
  • Identificação e prevenção de possíveis riscos.

É importante que o orçamento seja especificado pela empresa, para que o designer possa adequar o projeto à realidade. Isso nunca deve influenciar na qualidade do seu trabalho como designer — todo job deve ser feito da melhor maneira possível.

A partir disso, é possível definir prazos realistas, que atendam às necessidades do cliente. Você pode precisar priorizar jobs mais complexos e de maior custo, por exemplo, sem pecar na qualidade de um projeto mais simples. Por isso, é importante alinhar essas questões desde o princípio, para consolidar uma boa parceria com todos os tipos de cliente.

Além disso, um bom planejamento de prazos evita que o processo de produção de peças gráficas, por exemplo, sejam um empecilho. Leve em conta que alguns tipos de arte dependem de testes para serem aprovadas.

Informações referenciais

  • Referências;
  • Especificações;
  • Objeções.

Seu briefing deve possuir referências muito bem selecionadas e essa pesquisa deve ser feita, principalmente, pelo seu cliente. Ainda que você apresente referências como proposta, as referências do seu cliente são a melhor maneira de ele transmitir a ideia central do que espera do projeto. Afinal, nem sempre descrições por escrito são o suficiente.

Você deve solicitar tanto referências de projetos já realizados pela empresa, quanto referências externas que possuam algum aspecto do conceito do projeto a ser desenvolvido. Qualquer detalhe específico que deva ser especialmente evitado ou que seja pré-requisito para a aprovação do projeto, como algum elemento gráfico ou cartela de cores, deve ser explicitado no briefing de design também.

Briefing para publicidade

O briefing para publicidade deve ser um guia para toda a estruturação e realização de uma estratégia de marketing de uma empresa. Peças de design, como dissemos, entram como uma ferramenta dessa estratégia.

Já deu para perceber que o briefing para publicidade precisará de informações adicionais, se comparado ao briefing para design. Veja a seguir quais seriam as principais delas.

Questões básicas

Todas as informações básicas que citamos como necessárias no briefing para design também entram aqui. Porém, nesse caso, é preciso aprofundar mais. Solicite que seu cliente aborde questões sobre a história da empresa, sua fundação, sócios, conflitos, sucessos e mudanças.

A empresa também deve fornecer mais aspectos subjetivos e conceituais da marca. Isso deve ser levado em conta também na etapa de detalhes referenciais.

Detalhes estratégicos

Ao solicitar uma delimitação de público-alvo, busque saber quem é o cliente ideal. Quais são os seus problemas e quais são as soluções que a marca pretende solucionar por meio de seus produtos? As respostas a essas perguntas não devem, de forma alguma, ser generalizadas.

Aqui, devem entrar todas as pesquisas de mercado recentes realizadas pela empresa e que tenham envolvido a participação de clientes reais. Dados de mídias sociais e informações valiosas dadas pelo time de vendas da empresa, por exemplo, também são boas fontes de informação.

Além disso, os concorrentes devem ser avaliados de acordo com exemplos de benchmaking que possam ser seguidos a aprimorados. Garanta que o seu cliente seja imparcial e verdadeiro sobre essas questões.

Tópicos práticos

Esses são os aspectos que menos mudam de um tipo de briefing para o outro. Budgets, prazos e prioridades devem ser colocados na ponta do lápis de forma bastante realista, para evitar surpresas ao longo da realização do cronograma de ação.

Informações referenciais

No caso do briefing para publicidade, as referências solicitadas ao cliente devem se estender um pouco mais. O padrão de publicidade da empresa ao longo dos anos deve ser levado em conta e revisado com cuidado, para que qualquer inovação seja feita de forma consciente e assertiva.

Agora que você já entendeu as diferenças entre briefing de design e briefing de publicidade, compartilhe esse post em suas redes sociais para que seus colegas também saibam essas informações valiosas!

FIQUE POR DENTRO

Próximo Artigo7 habilidades importantes em um bom profissional de Social Media!