Entenda tudo sobre Social media

(Last Updated On: 7 de Abril de 2017)

Na internet, você já se beneficiou do trabalho de um Social Media hoje. Duvida? Então responda a estas perguntas:

  • Já entrou no Facebook desde que acordou?
  • Viu algum vídeo engraçado ou informativo na sua timeline, postado por uma das páginas que você curte?
  • Clicou no link de algum tweet que levou para um artigo de blog?

Se fez qualquer coisa parecida com isso, apareceu no radar de um profissional de mídias sociais. Ele criou conteúdo pensando em gente como você, e agora analisará o seu engajamento para melhorar esse conteúdo.

Hoje, vamos falar sobre essa área nova, promissora e cada vez mais comum. Vamos também dar dicas sobre sua rotina, responsabilidades e ferramentas úteis para quem começará no ramo. Acompanhe.

1. O que é Social Media?

A profissão de Social Media é algo relativamente recente, mas ninguém que a conheça minimamente tem dúvidas de que veio para ficar e ditar tendências.

O Social Media publica conteúdo em páginas empresariais, interage com os seguidores dessas páginas, mede os resultados desse trabalho e faz os ajustes necessários para melhorar o seu desempenho. E tudo isso levando em conta a imagem da empresa e sua interação com o público, seja ele consumidor ou não.

O fato de haver tantos nomes diferentes para a profissão vem de uma confusão comum aqui no Brasil — aquela entre mídias sociais e redes sociais.

Qual a diferença entre mídias sociais e redes sociais?

Quase todo mundo usa essas expressões como sinônimos, mas, se formos levar ao pé da letra, há uma diferença importante que tem a ver com duas das principais tarefas do Social Media: criação de conteúdo e relacionamento com clientes.

São consideradas mídias sociais plataformas como o Twitter, onde o conteúdo é a parte mais importante. Quem lê e tuíta por lá quase sempre está interessado em se informar e divulgar informação.

Aliás, o Twitter é considerado uma das melhores formas de ficar por dentro das tendências. Ou, como são chamados por lá, os trending topics, marcados pelas famosas hashtags, que são listas que reúnem os assuntos do momento.

Uma possível explicação para isso é o fato de que a rede social dos 140 caracteres é dinâmica e sua estrutura de pouco texto favorece o compartilhamento de links, vídeos e outras formas de conteúdo externo.

Já as redes sociais são focadas em relacionamento. Quando começaram no Brasil, elas eram conhecidas como “sites de relacionamento”, aliás. A essa categoria pertencem Facebook, Instagram e tantas outras plataformas em que você se relaciona com amigos e conhecidos.

Como é a formação do Social Media?

Se você se interessou por essa atividade, saiba que o perfil do Social Media é o de uma pessoa bem informada, dinâmica e proativa. Habilidades, aliás, que são requisitos para qualquer bom profissional hoje em dia, não é mesmo?

Grande parte dos profissionais da área vem do Jornalismo ou Comunicação Social, embora não seja necessária uma formação acadêmica para atuar no mercado.

É claro que ser graduado é um grande diferencial para qualquer área em que se vá trabalhar — relacionada ou não à sua graduação. No Brasil, porém, não há curso superior direcionado ao Social Media.

Mas já temos boas opções de especialização, principalmente online, que abordam as questões mais importantes da rotina desse profissional.

Tem também muita gente brilhante da área que aprendeu pelo caminho mais duro, isto é, cometendo erros, experimentando e aprendendo com os resultados.

Por que ser autêntico é importante nessa profissão?

Por outro lado, há muitos profissionais que não são tão voluntariosos assim. Eles costumam copiar sem pensar estratégias prontas de empresas que são destaque no Facebook ou Twitter.

Isso é péssimo para o trabalho do Social Media, já que um dos requisitos mais importantes e empolgantes do seu trabalho é criar um diálogo entre empresa e cliente que seja único e adaptado às necessidades das duas partes.

Então, esse é um erro que você não deve cometer. É muito válido aprender com experiências bem-sucedidas (e também com as malsucedidas) de outras pessoas e empresas. Mas seja criterioso ao utilizá-las fora do contexto original.

As empresas que contratam esse profissional só vão se destacar realmente se aquilo que publicam em suas páginas for autêntico. Fora disso, tudo será sucesso de momento.

2. O que faz um profissional de Social Media

Se é como a maioria das pessoas, você tem mais de mil amigos no Facebook e curte dezenas de páginas. Pode ser que tenha uma conta no Twitter e, quase com certeza, já criou um perfil no Instagram.

Assim, é nas redes sociais que você se informa, interage com amigos, se diverte e até mesmo trabalha. Quem é que nunca fez uma reunião de escritório pelo messenger do Facebook, não é mesmo?

E as empresas sabem que, hoje em dia, todo mundo precisa das redes sociais para todas essas tarefas. E também que todas essas pessoas são potenciais consumidoras dos produtos e serviços delas.

Mas como elas vão fazer para selecionar o público certo para isso? Não adianta passar o dia todo pagando anúncios. Você clicaria numa propaganda de algo que não tem nada a ver com você?

Essa seleção da pessoa perfeita para o produto perfeito nas redes sociais é feita, de certa forma, pelo Social Media.

Ele cria conteúdo

Tire um tempinho e entre em algumas das suas páginas favoritas do Facebook. Há grandes chances de elas serem de empresas. Aí, você se dá conta de que segue a página de uma organização que vende produtos e, bem, não são só anúncios que chegam até você.

Isso tem um motivo. Se essas empresas passassem o dia todo postando coisas do tipo “compre o meu produto”, você já teria se cansado e descurtido as páginas delas há muito tempo.

Toda empresa que sabe disso já contratou um Social Media para entender o gosto dos seguidores e criar conteúdo do interesse deles. Ou seja, manter uma relação baseada no interesse mútuo, e não apenas em propaganda.

Aí você pensou em alguém sentado à frente do computador, tomando café e postando várias vezes ao dia na página das empresas que o contrataram.

De uma coisa você pode ter certeza, o trabalho do Social Media não tem nada de aleatório. Qualquer mídia ou rede social mede o desempenho de cada postagem e, a partir desses números, é possível saber exatamente quais tipos dão mais resultado.

Quando existem números — ou “métricas”, como os profissionais de marketing e mídias sociais gostam de chamar — todo o trabalho adquire um sentido.

E estabelece uma rotina

Dá para entender melhor o gosto do público-alvo e começar a criar conteúdo que realmente tenha a ver com ele. E, como tudo isso só funciona com planejamento, experimentação, análise de resultados e modificações, o Social Media precisa de uma rotina.

A maior parte deles começa o expediente respondendo aos comentários de clientes e de todo tipo de gente que interagiu com a marca.

As pessoas valorizam as empresas que fazem isso. Todo mundo se sente mais importante quando é ouvido. E não importa se o que comunicam é uma reclamação, um elogio, uma crítica ou uma sugestão.

Depois, é hora de se informar sobre o que anda “bombando” na internet e ver, dentre todas essas possibilidades, o que tem mais a ver com as empresas que são clientes do Social Media.

A ideia é criar posts relacionados às discussões mais badaladas e que façam sentido para os seguidores da página e o público-alvo da empresa.

Para nortear a prática de todas essas tarefas, o Social Media se reúne com o setor de comunicação ou diretamente com os donos das empresas. Lá, uma estratégia é definida ou modificada, tendo como base os números.

3. Exemplos de boas práticas em Social Media

As redes sociais são um fenômeno que veio para ficar, com certeza. Só para você ter uma ideia da importância delas, segundo um estudo, 55% dos internautas brasileiros acreditam que a internet se resume ao Facebook.

Ou seja, muita, mas muita gente mesmo nem ao menos pensa em outra forma de se conectar que não seja pela rede social de Mark Zuckerberg.

Imagine, num contexto desses, o tamanho da importância de um Social Media? Uma falha grave em alguma das mídias sociais pode significar muito prejuízo para a imagem de um negócio.

Hoje, todas as grandes empresas — e uma quantidade enorme de pequenos e médios empreendimentos — constroem a identidade da sua marca nas redes sociais.

E, como o consumidor também mudou muito por causa delas, é muito raro que uma empresa se destaque em vendas e faturamento se seus clientes não tiverem algum tipo de identificação com ela.

Um profissional com tantas responsabilidades precisa saber as “regras de etiqueta” da internet a fundo. Mas, também, como é lá que as empresas se destacam, ele terá que arriscar para entrar no gosto dos clientes.

Por isso, é muito importante conhecer, dominar e aplicar as boas práticas de um Social Media. Muitas delas você só conhecerá colocando a mão na massa. Mas algumas das principais a gente lista para você:

Planeje tudo

Não há a menor chance de uma estratégia de redes sociais dar certo se você ficar o dia todo tendo ideias aleatórias e postando nas páginas dos seus clientes.

As tarefas do Social Media são organizadas de forma esquemática e detalhista. Ele cria calendários de publicação e estuda os melhores horários para as postagens. Tudo isso deve estar pronto muito antes de postar pela primeira vez.

Aliás, boa parte das postagens deve ser programada antecipadamente. Você pode usar alguns aplicativos para isso. Assim, alivia aquele problema de dormir tarde todo dia porque tem um cliente que tem engajamento alto nas redes sociais depois da meia-noite. E, acredite, isso existe.

Além do mais, posts só dão resultados se estiverem dentro de uma estratégia. Qual o objetivo do seu cliente com a página do Facebook?

Pode ser divulgar a marca, conseguir vendas ou simplesmente manter um canal aberto para comunicação com os clientes. Cada postagem da página dele deve estar de acordo com esse objetivo.

Entre na mente do seu público

Existe uma concepção de público do marketing digital que é preciosa para quem trabalha com redes e mídias sociais. É o conceito de buyer persona.

Muito mais complexo do que uma definição simples de público-alvo, esse conceito leva em consideração aspectos muito mais detalhados da vida das pessoas que interagem com uma marca.

Ele compreende as necessidades específicas de um consumidor ideal que podem ser preenchidas com um produto. Isso é conhecido pelos profissionais de marketing como “as dores da persona”.

Quem lê posts que foram criados levando essas técnicas em consideração fica com aquela sensação de “uau, isso foi escrito pra mim”, o que gera identificação imediata com a marca e resulta em maior alcance, engajamento e curtidas.

Crie textos curtos e entenda de experiência do usuário

As redes sociais são muito diferentes de blogs. Embora muita gente goste de publicar os famosos “textões” nos seus perfis, o ideal para empresas é manter o conteúdo dos posts bem curto. Pesquisas sugerem que o tamanho ideal é de cerca de 250 caracteres.

Toda a lógica do conteúdo produzido e consumido na internet atende a um tipo de experiência do usuário específico do ambiente virtual.

São peças e textos que devem ser muito escaneáveis — isto é, toda a sua proposta deve poder ser assimilada num correr de olhos, em alguns segundos.

Mais uma vez, o conhecimento do público-alvo — ou, numa hipótese melhor, da persona — ajudará a criar conteúdo escaneável.

Seu público é impaciente? Tem o hábito da leitura? É ligado em design ou prefere que os aspectos visuais sejam bem resumidos, apenas colaborando para a transmissão da mensagem? Responder a essas perguntas é o primeiro passo para uma boa prática de produção de conteúdo nas redes sociais.

Evite polêmicas

Não dá para negar que polêmicas geram visualizações. Tanto que muitas das ditas “celebridades da internet” vivem criando conteúdo sobre os assuntos mais controversos do momento.

Fazer isso é uma estratégia de altíssimo risco para empresas. Se procurar em qualquer guia de boas práticas das redes sociais na internet, você ouvirá que a postura esperada das páginas de negócios é a neutralidade.

Isso é verdade em 90% dos casos. Mas há certas situações em que uma postura indiferente incomodará de verdade o seu público. Logo, é preciso saber a hora de se posicionar também.

Na maior parte do tempo, você deve evitar escolher assuntos polêmicos como tema das suas postagens. Ninguém está por dentro de tudo o tempo todo, e o maior risco é abordar esses assuntos de uma forma superficial e acabar perdendo credibilidade.

Ou, pior, tocar em assuntos sérios de uma forma oportunista e provocar a ira dos seus seguidores. Foi o que fez o Catraca Livre, ao postar sobre o acidente aéreo que resultou na morte dos jogadores da Associação Chapecoense de Futebol.

Saiba lidar com crises

E já que tocamos nesse assunto, tenha em mente que, por mais que você evite assuntos espinhosos, crises acabam acontecendo uma hora ou outra.

Esteja preparado para elas. Quando acontecerem, respire fundo, converse com a equipe de marketing — se a empresa em que trabalha tem uma — ou com o seu cliente. A partir daí, crie uma estratégia para solucionar o problema.

Evite tomar decisões impulsivas. Isso é uma ótima maneira de gerar mais instabilidade.

Meça tudo

As mídias e redes sociais fazem parte do marketing digital.

E esse novo modelo de marketing ainda tem muito de Ciências Humanas, mas incorpora mais elementos da Matemática e Estatística a cada dia. Cada vez mais, os profissionais de marketing estão interessados em medir suas estratégias.

Isso tem muito a ver com as facilidades do ambiente digital. Por exemplo, o próprio Facebook gera todos os números que você precisa para saber se uma postagem deu certo ou não.

Ele te fala quanta gente curtiu, comentou e compartilhou uma publicação. Além disso, numa página empresarial, dá para verificar outras métricas bem mais complexas, como o envolvimento com as publicações, alcance orgânico e pago e muitos outros.

Twitter, LinkedIn e Instagram não possuem mecanismos de mensuração tão profundos. Mas há ferramentas que podem ajudar nisso. Mais adiante, vamos falar um pouco sobre como usá-las.

O fundamental é que haja sempre números que mostrem onde e como o Social Media deve agir e que as estratégias levem essas métricas em consideração.

4. Ferramentas de Social Media

Se chegou até aqui, é bem possível que você esteja considerando seriamente a profissão de Social Media.

E pode até já estar se perguntando como um profissional desses consegue criar uma rotina de trabalho em que seja possível postar várias vezes ao dia em páginas de vários clientes diferentes.

E, ainda, medir resultados e usá-los para refazer as estratégias, aprimorar a linguagem e alcançar melhor o público da marca.

Para dinamizar o seu trabalho, você precisará recorrer a ferramentas online. Como sabemos disso, listamos as principais para iniciar:

Hootsuite

Não dá para começar por outro ponto. O Hootsuite te ajuda a gerenciar todas as suas contas e postagens de uma forma mais organizada e, principalmente, rápida.

Com ele, você agenda posts de inúmeras redes sociais (na versão gratuita, o máximo são 3). Além disso, pode responder a comentários com um clique, visualizar tudo que é importante na mesma tela, lado a lado, e muito mais.

Uma solução que otimizará o seu trabalho, permitindo o gerenciamento de conteúdo em diversas redes sociais, medindo os resultados e interagindo de forma mais prática.

Facebook Insights

Como dissemos, o Facebook disponibiliza uma ferramenta nativa para medir tudo da sua estratégia nessa rede social.

Para isso, basta clicar na guia “Informações” da página que deseja medir. Lá, você encontrará ótimas métricas e ainda pode optar por fazer a integração com o Google Analytics, o poderoso sistema de métricas do Google.

Social Mention

Uma forma simples de usar, gratuita e eficiente de acompanhar e medir as menções de um produto ou marca nas redes sociais e na internet de forma geral.

Para aproveitar as funcionalidades do Social Mention, você só precisa entrar no site, digitar o termo que quer acompanhar e ele retornará com uma análise detalhada e os links dos sites em que ele é mencionado.

Se você precisa ficar por dentro do que andam dizendo sobre um produto de um dos seus clientes, mas não tem tempo de fazer buscas todos os dias, não tem problema. É possível programar alertas para cada nova menção.

Pocket

Boa parte do trabalho do Social Media é ter ideias. Ideias de links para postar, ideias de textos para ler e que vão te ajudar a ter ideias de postagens, GIFs, fotos e memes.

O Pocket é um aplicativo disponível para desktop e dispositivos móveis, como celulares e tablets. Ele permite, basicamente, que você salve conteúdo para ler mais tarde.

Pode parecer meio banal, mas é incrível a diferença que faz na sua produtividade guardar coisas e ler com uma certa regularidade. Você para de interromper o trabalho para não perder uma referência e ainda lembra de algo que podia ter se perdido pra sempre.

Muito bem! Pode ser que este texto te ajude a seguir uma profissão antenada, nova e dinâmica. O mundo — e o Brasil, especialmente — se organiza cada vez mais em torno das redes sociais.

E como tudo no ambiente da internet, o mundo desse profissional muda muito rápido. Ao que tudo indica, são mudanças para melhor, já que o trabalho fica otimizado e, para quem consegue uma rotina bem estabelecida, bem mais fluido.

Da próxima vez que olhar para a sua linha do tempo no Facebook, Twitter ou Instagram, pense nesse profissional que está por ali, dando duro para reunir os seus interesses ao de uma empresa. Você já está no radar dele há um bom tempo.

Quem sabe você não será o próximo gestor de mídias sociais e ajudar a tornar o Twitter, Facebook e Instagram mais alegres, informativos e propícios para os negócios?

E por falar em radar, que tal assinar a nossa newsletter e receber conteúdo interessante sobre Social Media e outros assuntos relacionados direto na sua caixa de e-mail?

FIQUE POR DENTRO

Próximo ArtigoSprites ou imagens separadas?