Portfólio na área de tecnologia: um guia para construir um ideal!

(Última atualização em: 1 de junho de 2017)

Você está procurando emprego na área de tecnologia? Então é muito provável que já tenha preenchido cadastros para empresas e agências, certo? Nos dados solicitados tinha um campo escrito portfólio?

Pois, cada vez mais, esse documento tem se mostrado obrigatório para a participação em processos seletivos, além de ser fundamental para quem já está no mercado mas deseja estar sempre aberto a novas oportunidades. E não apenas isso: se bem feito, o portfólio pode ser decisivo entre um “a vaga é sua” e um menos entusiasmado “vamos guardar seu currículo para uma próxima oportunidade”.

Até aqui, temos certeza que você já entendeu sua importância, mas, só para não restar dúvidas, vai uma explicação direta sobre o que o portfólio é: uma coletânea de todos os principais trabalhos realizados por um profissional. Trata-se de uma espécie de resumo do que você já fez ao longo da carreira. É a vitrine para programadores, designers, profissionais de marketing digital e muitos outros se apresentarem para o mundo.

A seguir, apresentamos um guia completo para construir um portfólio na área de tecnologia. Confira tudo com atenção e não perca mais tempo para criar o seu e alavancar sua carreira!

1. Qual é a melhor opção: físico ou online?

Um dos primeiros passos é pensar no formato como ele será divulgado e apresentado a recrutadores e clientes. Até alguns anos atrás, era comum preparar uma pasta caprichada, incluindo imagens e informações de seus principais trabalhos.

Mas, vamos falar a verdade, apesar de todo o cuidado envolvido nesse método, não é algo exatamente funcional. Imagine a situação: a cada entrevista ou reunião, ter que levar uma pasta; a cada processo seletivo, preparar cópias para deixar com o entrevistador. Nada prático, concorda?

Portanto, para tornar a vida do candidato e do recrutador mais fácil, a solução indicada é o portfólio online. Além da praticidade de apresentação, esse formato é mais simples para atualizar, incluir ou retirar trabalhos, mais barato do que mandar imprimir, acessível de qualquer lugar 24 horas por dia, e permite uma divulgação mais ampla.

Mas fique atento: quando for solicitada a apresentação do seu portfólio no momento da entrevista de emprego, não conte apenas com o virtual — a internet pode falhar ou pode não haver rede na sala em que a conversa ocorrerá.

Por isso, leve consigo um pen drive ou HD externo com os trabalhos que deseja apresentar. Assim, não é por falta de internet que você ficará sem exibir seus projetos.

2. Quais são as ferramentas para criar um portfólio na área de tecnologia?

Escolher a ferramenta ideal para criar o seu portfólio é um passo que exige paciência e persistência até achar aquela com a qual você se entende e se adapta melhor. O fundamental é fazer testes com algumas e não desistir de primeira.

Faça seu cadastro, busque entender melhor a plataforma e peça ajuda e opinião dos amigos antes de se dar por satisfeito. Fora isso, escolha uma ferramenta que consiga atualizar com facilidade e que ofereça um design funcional, bonito e profissional, de acordo com sua área de atuação.

Para ajudar nessa missão, listamos a seguir algumas ferramentas que são usadas por muitos profissionais para criar um portfólio na área de tecnologia.

2.1 Carbonmade

Outra plataforma interessante para criar um portfólio na área de tecnologia. A exemplo do Behance, o Carbonmade também permite organizar os trabalhos por meio de álbuns, divididos por temas e com descrições específicas.

O seu uso é muito fácil: basta fazer um cadastro e escolher um layout preferido. Há diversos prontos; determine aquele que mais tem a ver com seu estilo e área de atuação.

Os templates não são muito customizáveis, ou seja, é indicado para quem não quer ter muito trabalho pensando em layout e deseja concluir seu portfólio o mais rápido possível. Além disso, a versão gratuita só permite o upload de imagens. Se tiver vídeos e áudios, é necessário usar a versão paga, que é mais completa e com mais opções de layout.

Se quiser essa opção, sai 6 dólares por mês para até 10 projetos, 12 dólares para até 50 e 18 dólares na versão ilimitada.

2.2 Cargo Collective

Você tem conhecimentos técnicos e deseja usá-los na criação de seu portfólio? Então o Cargo Collective é para você!

A ferramenta conta com boas opções de customização para quem entende de CSS e HTML, ou seja, para deixar sua página do jeitinho que você quiser, completamente exclusiva.

Mas, se você não tiver o básico de programação, fique tranquilo, o Cargo também é para você. A plataforma tem mais de quarenta opções de templates à disposição dos usuários, que permitem uma apresentação dos trabalhos de forma bonita e funcional. Basta escolher aquele que mais gosta e seguir em frente.

Em poucos passos, e sem muito trabalho, a sua página profissional estará pronta para ser divulgada a quem interessar. Tudo simples e de graça!

2.3 DevianArt

O DevianArt não é assim tão conhecido como o Behance, mas tem orgulho em ostentar o título de maior comunidade do mundo para divulgação de trabalhos artísticos. E, realmente, é muita gente que o utiliza — são mais de 20 milhões de usuários.

Os templates disponibilizados têm aparência profissional e são fáceis de usar. No plano gratuito, é permitido apenas o upload de até cem imagens por usuário. Porém, veja pelo lado positivo: a comunidade é grande, então mesmo com essa quantidade há boas chances de conseguir visualizações.

Mas se desejar uma opção mais completa, existem planos pagos com mais funcionalidades e possibilidades de personalização. Por fim, se tiver um domínio próprio, pode usá-lo para criar um site com seu próprio nome.

2.4 Wordpress

O WordPress, apesar de não ser exatamente uma ferramenta específica para a criação de portfólios online, atende muito bem a essa demanda. Ele é uma das maiores plataformas para criação de sites e blogs do mundo.

A plataforma oferece uma grande quantidade de temas, basta escolher aquele que está de acordo com sua área e estilo. Alguns deles com mais de 700 mil instalações ativas, como o tema Twenty Seventeen, mas como o layout é customizável cada site fica completamente diferente do outro.

O WordPress permite incluir diversas extensões e widgets, que deixam a página mais completa e repleta de funcionalidades. Como a comunidade que trabalha na plataforma é muito ampla, sempre tem atualizações e correções de bugs.

Além disso, em seu site é possível postar fotos, vídeos e textos de forma prática e organizada, ou seja, é uma ferramenta que ser usadas por programadores, designers e profissionais de marketing, entre outros. Se tiver um domínio próprio e desejar usá-lo nesse projeto, será muito bem-vindo.

2.5 Github

O Github é uma plataforma usada por programadores para compartilhar e divulgar códigos, projetos, programas com a comunidade, formada, principalmente, por entusiastas do open source. Utilizada desde os mais novatos até os profissionais experientes da área, permite que várias pessoas trabalhem conjuntamente no mesmo projeto.

Como o portfólio, é uma ferramenta importante, já que empresas e clientes podem conhecer os seus trabalhos feitos pelos desenvolvedores. Além disso, é possível interagir com outros usuários, fazer networking e receber contatos profissionais.

Os projetos no Github são organizados por pastas, que comportam um grande variedade de arquivos, tais como: html,documentos de texto, php, css, pdf, jpeg, gráficos, entre vários outros.

Para usá-lo não há limite de upload de arquivos, porém na conta gratuita todos os arquivos das pastas serão públicos, sendo acessados por qualquer pessoa. Quem deseja manter privado e acessível apenas a um grupo específico, precisa fazer um upgrade para a conta paga.

2.6 LinkedIn

Uma ferramenta que não é exatamente para criação de portfólio online, mas que atende muito bem a necessidade de divulgação de jobs e projetos, e o melhor, para todas as áreas. O LinkedIn é considerado a maior rede social do mundo direcionada para assuntos profissionais.

Na plataforma, é possível relatar toda a sua experiência e receber recomendações de colegas e ex-chefes. Além disso, é permitido divulgar links, vídeos, fotos e documentos. Por fim, há a opção de escrever artigos e publicar na rede, sendo um excelente portfólio para demonstrar suas ideias e opiniões, principalmente para quem atua com diretamente com texto, como os profissionais de marketing digital.

3. O que incluir em seu portfólio?

Escolhida a plataforma, vem a parte mais importante: o conteúdo. É hora de mostrar realmente o seu trabalho e vender seu peixe, afinal, não basta um layout bonito em uma ferramenta incrível se não tiver algo bacana para mostrar, certo?

Veja, a seguir, como escolher os trabalhos que devem entrar no seu portfólio para a área de tecnologia:

3.1 Variedade

A primeira dica é a variedade de projetos. Ao selecionar o que será exposto, busque um pouco de tudo. Se puder, escolha materiais que envolvam diferentes tipos de público. Além disso, diversifique os clientes o máximo possível, tais como lojas, agências, escritórios, fábricas e o que mais tiver em sua carreira.

A ideia é mostrar sua versatilidade para possíveis recrutadores e clientes, garantindo que você é capaz de trabalhar com diferentes temas e necessidades.

Para ilustrar melhor a situação vamos imaginar um designer que já fez trabalhos relacionados à música e essa é sua área preferida. Ótimo! Ele tem que mostrar essas criações no seu portfólio, mas não só elas: é preciso diversificar.

Isso significa incluir projetos de áreas diversas, como produções voltadas para crianças, outra para o ramo de viagens e turismos, outra para um escritório de advocacia… Isto é, de ramos completamente distintos e que tenham suas próprias exigências, linguagens e particularidades.

Dessa forma, é possível demonstrar a versatilidade do profissional, conhecimento e interesse sobre grande variedade de temas, além de flexibilidade,  algo muito valorizado pelo mercado.  

Por isso, por mais que você tenha atuado durante muito tempo no mesmo segmento, busque produzir peças diferentes. A dica aqui é fazer alguns trabalhos como um exercício, que, apesar de não serem divulgados, são úteis para demonstrar suas habilidades. Incluir projetos da faculdade também é uma boa opção.

3.2 Ordem de apresentação

Pense na ordem de apresentação dos trabalhos. Aqui vale a máxima a primeira impressão é a que fica, por isso dê destaque a algo realmente incrível, seja na primeira página ou nos primeiros álbuns. A ideia é impressionar no ato e gerar um sentimento positivo.

3.3 Qualidade

Escolha apenas peças de alta qualidade. Afinal, essa é sua vitrine profissional e deve constar só o que tem de melhor. É muito comum que os profissionais tenham em sua carreira algo que não ficou muito bacana ou que não tem mais nada a ver com os dias atuais. Esse tipo de trabalho pode ficar de fora.

3.4 Cuidado com os direitos autorais

Será que posso colocar tudo que já fiz na vida? Essa é uma dúvida comum e há algumas considerações a respeito. Antes de alimentar seu portfólio, é preciso ponderar sobre as questões dos direitos autorais.

Há empresas e agências que estabelecem em seus contratos que o material criado por colaboradores é de propriedade delas. Isso inviabiliza sua publicação em qualquer outro meio, mesmo que não tenha fins comerciais e publicitários. Nesse caso, o trabalho não poderá ser exposto em sua página na internet, sob o risco de gerar um processo judicial.

Mas se você criou tudo e não há nada formalizado em contrato sobre a exclusividade de veiculação, poderá incluir sem problemas. Anote essa dica: mantenha as portas abertas e a boa educação com as empresas, agências e clientes a quem prestou atendimento. Informe-os sobre a publicação e inclua as respectivas informações sobre nome da empresa, ano de realização etc.

3.5 Quem está em começo de carreira, como faz?

Para quem já tem anos de estrada é muito fácil preencher um portfólio. Mas e quem está no começo da carreira? Nesse caso, a única solução é produzir muito, não de maneira comercial, mas sim para aprender técnicas, desenvolver métodos e ganhar experiência.

Vale criar programas, aplicativos e sites que não serão publicados, mas que poderão ser um terreno fértil para muitas ideias. Busque referências na web para suas criações.

Aqui também vale o critério da diversificação: construa projetos com diferentes propostas para ampliar seu conhecimento. Além disso, os trabalhos do período da faculdade são muito bem-vindos. Os melhores devem compor a página.

O fundamental é ter atitude e não ter preguiça para desenvolver. Lembre-se de que isso pode ajudar a conseguir um bom emprego na área de tecnologia!

4. O que evitar no portfólio?

Se existe o que deve ser incluído, também há o que deve ser terminantemente evitado. Nesse momento, autocrítica é fundamental — e muito valorizada no mercado.

Como mencionamos, a qualidade dos projetos é essencial, então não inclua nada só para encher espaços e aparentar volume e grande produção. O efeito disso será justamente o contrário: qualquer recrutador ou gestor experiente perceberá que algo ali não está legal.

Alguns outros trabalhos, pelos quais talvez você tenha um carinho especial, devem ficar longe do seu portfólio, como materiais que você produziu para familiares, seguindo o gosto deles.

A ideia não é censurar, porém esse tipo de trabalho costuma ter um aspecto amador, e não é exatamente essa a imagem que se deseja passar para um possível chefe ou empresa, não é mesmo?

Se, em algum momento, você participou de um projeto que gerou polêmica e que pode ser mal interpretado na atualidade, é melhor não divulgá-lo também. A ideia é mostrar tudo o que tem de melhor.

5. Pode ser ousado na criação do portfólio?

Já apresentamos algumas ferramentas que ajudam na construção de um bom portfólio, algumas mais customizáveis, outras menos. No geral, todas atendem satisfatoriamente a essa necessidade.

Porém, existem profissionais que desejam ir muito além e criar algo completamente diferente do que todos estão acostumados. Isso é ótimo, pois um pouco de ousadia e criatividade são extremamente valorizadas na vida profissional.

Há quem já tenha criado portfólio em formato de passaporte ou em versão Super Mario Bros. Foram ao extremo da ousadia e, nesses casos, o resultado final ficou surpreendente.

No entanto, é preciso ter cautela antes de sair por aí esbanjando criatividade. Buscar algo não convencional é bacana, mas é necessário discernimento. Você tem certeza que conseguiria fazer algo nesse estilo com qualidade ou ficaria amador? Para sua área de atuação, isso contaria positivamente? Trabalhar com algo diferenciado assim combina mesmo com você ou só fez porque achou divertido?

Tudo isso tem a ver com autoconhecimento, saber o seu estilo e perceber o quanto realmente deseja ousar. Crie algo que surpreenda, mas vá com calma para não gerar má impressão.

6. Dicas extras para criar o seu portfólio na área de tecnologia

Para que você possa criar o seu portfólio, selecionamos mais algumas dicas que serão importantes no decorrer de processo de desenvolvimento. Veja a seguir!

6.1 Cuide da sua marca pessoal

Pense que a apresentação do seu portfólio é uma espécie de vitrine sobre sua trajetória. Você é o criador, então cuidar da sua marca pessoal será indispensável.

Diante disso, é preciso selecionar uma foto com aspecto profissional (deixe aquela com uma peruca e óculos engraçados longe disso), escrever sua biografia de forma correta e interessante, e ter atenção ao e-mail para contato — se o seu é algo como lindinha7534@hotmail, é melhor criar outro mais sério. Ter um domínio próprio é também um elemento que demonstra profissionalismo.

Um outro ponto especial é o seu nome. Evite usar apelidos, termos estrangeiros, siglas ou abreviações que não querem dizer muito. O seu nome é a sua marca! Mantenha-o o mais claro e direto possível: isso ajudará no contato com futuros clientes e empregadores.

6.2 Seja formal e informal na medida certa

A área de tecnologia é bastante conhecida pela informalidade, seja no processo de criação de projetos ou na flexibilidade de horários e dresscode — muitos do setor trabalham de bermuda e chinelo, por exemplo.

Não há problema nenhum nisso, na verdade é bem interessante. Só que o portfólio precisa dosar bem o formal e o informal. Sendo sério demais, fica descaracterizado, mas se for informal demais corre o risco de parecer imaturo. Por isso, a dica é ser sutil, preferir a elegância e o bom gosto, sem exageros. Dessa forma, agradará a uma gama maior de pessoas e possíveis empregadores e clientes.

6.3 Mantenha a atualização

Entenda o seu portfólio como um organismo vivo, que precisa ser alimentado, cuidado e bem tratado para crescer e dar frutos. Pode ser que a primeira versão não tenha ficado tão boa, por isso atualizar constantemente ajudará na conquista do alto nível de qualidade desejado.

Além disso, a ideia é que haja produção constante, de acordo com as novas tecnologias, funcionalidades e necessidades de mercado. Isso demanda a inclusão de novos trabalhos com certa frequência.

6.4 Trabalhe a divulgação do seu portfólio

Já que você criou um material rico, repleto de bons conteúdos, que contam um pouco do seu conhecimento e de sua trajetória como profissional de tecnologia, por que não divulgá-lo?

As mídias sociais estão aí para isso. Compartilhe com seus amigos e familiares na sua página pessoal do Facebook e, se desejar, faça até mesmo uma fanpage. Crie um perfil no Instagram, tenha um blog e mantenha-o sempre atualizado: isso aumenta as chances de aparecer seu trabalho em resultados de pesquisa do Google. E, claro, não se esqueça do LinkedIn, a rede social mais indicada para incluir um link da sua página.

Neste post, buscamos contribuir com o processo de produção de seu portfólio na área de tecnologia. Como você pode perceber, é preciso dedicação para encontrar a melhor ferramenta, produzir peças novas quando não há muita experiência profissional, e também boa organização para manter a atualização constante.

Por isso, enfatizamos: tenha noção de que esse documento é realmente importante e pode ser a diferença entre o sim e o não para uma vaga de emprego.

Trate-o com carinho e atenção, faça revisões e, sempre que puder, peça a opinião de outros. Às vezes, um olhar que não está acostumado com essa produção é capaz de dar ideias ou ter sacadas brilhantes, que só vão acrescentar ao seu material. Agora, mãos à obra e comece já a construir sua página!

Tem mais alguma dúvida sobre como fazer um portfólio ideal para a área de tecnologia ou alguma dica que deseja compartilhar? Escreva aqui nos comentários e deixe sua opinião!

Desenvolvedor e criador de conteúdo no grupo Caelum. Host do Alura Live. Sempre aprendendo coisas novas e passando o conhecimento adiante.

  • Jéssica Marques

    Muito bacana!

    Obrigada pelas dicas, Gabriel. 🙂

    Um grande abraço!

  • Bem legais as dicas 🙂 Estou fazendo o meu no github, usando o pages também é uma dica para o pessoal.

    Minha namorada usa o Behance, fica bem legal a apresentação.

  • Pedro Silva Moreira

    Pra quem tem Github, uma das formas mais rápidas é usando o GitShowcase https://www.gitshowcase.com/ 🙂

  • Estou construindo vários projetos meu no CodePen, estou achando uma ótima ferramente. Mas será que é adequada como um portfólio?

Próximo ArtigoValores inválidos no SQL? CHECK a sua integridade