UX não é só para designers

(Last Updated On: 13 de abril de 2018)

Uma dúvida que surge com muita frequência por aí é:

“Eu gostaria de trabalhar com user experience (UX), mas não sou designer. O que eu faço?”

Bom, a primeira coisa que precisamos entender do que se trata a User Experience (UX), para que então esse conceito fique mais claro.

O que é UX?

Quando lançamos um aplicativo, um site, ou algo do tipo, nunca partimos do zero.

Afinal, se temos, por exemplo, um app de banco, que realiza diversas transações e atividades muito importantes, faria sentido que o app fosse cheio de recursos visuais decorativos que deixassem a navegação toda confusa?

Ou ainda, será que o usuário de um app desse tipo se sentiria confiante em realizar ações tão importantes ali dentro, se nem conseguisse encontrar as páginas e campos que precisa para concluir o que começou?

A user experience é a área que justamente pensa em todos esses processos, desde a arquitetura da informação, o tipo de público que se pretende atingir, os recursos de interface e interação que facilitarão a usabilidade e mesmo conseguir aplicar todos esses conceitos de estratégia aliados aos interesses do cliente ou da marca.

Pensar em user experience é passar por diversos processos, construindo e planejando a experiência do usuário até a validação e implementação de todas essas ideias.

Ainda assim, em UX lidamos com um processo contínuo de refatoração, criando e remodelando o que lançamos de acordo com a respostas dos testes com o usuário.

Isto significa que os processos em UX são diversos e cíclicos, exigindo expertises**** bastante distintas em cada etapa.

“Tudo bem, mas que expertises são essas?”

O time de UX

É comum encontrarmos vagas de emprego por aí que exigem milhares de pré-requisitos para o profissional de UX.

Geralmente essa pessoa precisa saber lidar com todo o planejamento estratégico, além de ser designer e desenvolvedor também, que projeta e implementa o projeto, realizando os testes e todo o acompanhamento do produto.

Mas, dificilmente alguém com uma sobrecarga tão grande de funções seria capaz de realizar, em um período saudável de trabalho, todas essas funções com tanta assertividade e qualidade.

Para isso, constroem-se times de pessoas experientes com os processos de UX, que vão desde marketeiros, gerentes de produto, designers e programadores, incluindo ou subtraindo algumas funções dependendo da demanda de cada projeto.

Quando dividimos os times dentro de expertises específicas, o trabalho fica muito mais direcionado e completo. Tiramos o melhor de cada processo com pessoas especializadas naquela função.

O que todo o time de UX precisa

Entendemos que profissionais de diversas áreas participam de times de UX.

Vale lembrar também que a participação de times interdisciplinares gera brainstorming de ideias muito mais rico.

Não é necessário que todos os profissionais sejam multi tarefas, capazes de realizar com maestria todos os processos, mas é muito importante que um profissional de UX consiga entender todas as etapas do projeto, alinhando suas atividades com a do restante do time para criar um produto mais consistente.

Para entender um pouco mais de todos os processos, na Alura temos a Carreira de UX Designer explicando em mais detalhes toda essa parte. 😉

FIQUE POR DENTRO

Próximo ArtigoFormatação de moeda e internacionalização com Python