Você sabe o que é o Minimum Viable Product?

(Last Updated On: 4 de setembro de 2017)

Em vários setores do mercado, especialmente de desenvolvimento de ferramentas, softwares e em muitas startups, os empreendedores buscam entregar mais valor com o mínimo de recursos. Essa necessidade criou o conceito de Minimum Viable Product (MVP).

Traduzido livremente como mínimo produto viável, é um item com todas as características mais básicas necessárias para ser considerado como “entregável”. Claro que, com base nos padrões atuais, dizer que algo está “entregável” com algumas poucas funcionalidades pode soar estranho, mas faz uma grande diferença para a empresa.

Esse conceito pode ser um pouco difícil de entender a princípio, especialmente se você trabalha com a lógica de já entregar um grande projeto completo. Por isso, vamos falar um pouco mais sobre o Minimum Viable Product e como ele pode ajudar bastante nos negócios.

Entendendo um MVP

Para exemplificar melhor o que seria um “produto mínimo”, vamos usar um exemplo clássico e comum em vários contextos: um carro pessoal. Pare por um instante e pense no que você normalmente encontra dentro de qualquer automóvel. Talvez você tenha pensado em algo mais ou menos assim:

  • motor;
  • tanque de combustível;
  • volante;
  • bancos;
  • rodas;
  • estepe;
  • rádio;
  • carroceria;
  • luz interna;
  • faróis;
  • setas;
  • cintos de segurança.

A lista poderia ser maior, mas já é o suficiente para o nosso ponto. O próximo passo aqui é filtrar esses itens de acordo com a função mais básica de qualquer carro: andar e ser guiado. O que sobra aqui é:

  • motor;
  • tanque de combustível;
  • volante;
  • um banco, pelo menos;
  • rodas;
  • carroceria básica para sustentar as peças.

Esse é o Minimum Viable Product para um carro. Pode parecer absurdo pensar em vender um carro sem cinto de segurança, até pela especificação da lei. Mas, para todos os efeitos, este “carro mínimo” cumpre a sua função.

Não está convencido? Bem, digamos que você está inventando o primeiro carro da história e tem de convencer as pessoas de que vale a pena investir nele. Você precisa, antes de mais nada, provar que ele pode se mover sozinho em terra, algo inédito até o momento. Sua tarefa é focar nas características principais do produto e trabalhar apenas com elas. É isso que o MVP faz.

Depois de obter o reconhecimento que precisa, você pode pensar em atualizar seu produto, agregando mais valor e dando-lhe diferenciais de mercado. Inserir os cintos, mais bancos para passageiros, uma carroceria com melhor aparência, para-brisas, personalizar a carroceria etc.

Mas, em qualquer momento, você poderia apresentar o seu “carro mínimo” para possíveis compradores ou investidores como um produto minimamente viável.

A mesma lógica se aplica a vários tipos de produtos, como festivais, softwares, entre outros. Há uma série de componentes que podem ser considerados essenciais, enquanto outros atuam para complementar o produto e diferenciá-lo dos demais.

Como o Minimum Viable Product impacta na organização

1. Abordagem gradual do desenvolvimento

Como você já deve ter notado no exemplo acima, seu carro não caiu do céu já montado e com todos os detalhes de uma Ferrari. Ele foi desenvolvido passo a passo, com cuidado para que os componentes mais importantes recebessem mais atenção, e que os pontos adicionais fossem agregados com calma e qualidade.

A partir do momento que há um MVP estabelecido, não há necessidade nenhuma de sobrecarregar o setor de desenvolvimento. Todas as funcionalidades extras, seja em um carro ou em um software, serão adicionadas posteriormente, até que o prazo de entrega seja concluído.

2. Facilidade para o período de testes

Da mesma forma que um Minimum Viable Product permite uma entrega rápida, ele também ajuda a dividir os estágios de desenvolvimento e possibilita uma realização de testes em menor escala. Talvez um produto mínimo não funcione da mesma forma quando todos os componentes forem agregados.

Com uma adição gradual, é possível detectar essas diferenças e ajustá-las de forma mais eficiente. Além disso, enquanto os primeiros clientes utilizarem a versão mínima do seu produto, você poderá coletar o feedback necessário sobre cada componente.

3. Definição eficiente de prioridades

Um dos principais objetivos de um produto mínimo é delinear quais funcionalidades são as mais importantes. Centenas de projetos se perdem em meio a um milhão de componentes, que nem sempre são importantes para o cliente final. Qual é a utilidade, por exemplo, de adicionar três caixas de som a um automóvel quando a direção não está devidamente regulada?

A definição das prioridades no MVP serve como guia para os desenvolvedores. Evita que eles percam foco no que seus clientes finais realmente precisam e esperam. Mesmo as ideias mais inovadoras e brilhantes não podem simplesmente entrar na frente dos componentes mais básicos de qualquer produto.

4. Possibilidade de venda em todos os momentos

Como já mencionamos várias vezes, um produto mínimo é um produto que pode ir para a venda.

Um software de chat online, por exemplo, não precisa ter uma centena de emojis embutidos, função de videoconferências e um editor de fotos. Nem mesmo uma função de agenda de contatos bem estruturada. Ele precisa apenas carregar mensagens recebidas e enviadas entre os destinatários.

O caso dos softwares, é ainda mais específico. Como é possível atualizar programas de computador e celular quase constantemente, não é necessário simplesmente cortar todas as funcionalidades que não foram adicionadas até o momento. Você pode continuar divulgando e vendendo o seu programa enquanto trabalha para torná-lo melhor e atrair novos compradores.

5. Fidelização prévia de leads e clientes

Com um Minimum Viable Product em mãos, você já pode começar a atrair investidores, seus primeiros clientes e qualquer outro tipo de pessoa que acredite no que você está desenvolvendo.

Antes mesmo de adicionar as funcionalidades que considera como diferenciais, você já poderá manter um fluxo de caixa mínimo, reduzindo o custo de desenvolvimento e potencializando os resultados.

Além disso, clientes são uma das melhores fontes de divulgação disponíveis. Quando você consegue mais uma ou duas pessoas para utilizarem seus produtos, elas comentarão com amigos, familiares e sócios sobre suas qualidades.

Agora que você já entende o que é um Minimum Viable Product, pode aplicar esse conceito nos seus negócios. Quer continuar recebendo nossas dicas? Então, siga-nos no FacebookTwitterLinkedInYouTube e Google+ para acompanhar nossas novidades!

FIQUE POR DENTRO

Content Editor at Alura and Software Developer

Próximo ArtigoFazendo recortes na imagem com a Crop Tool no Photoshop