Anônimo

Como funciona o modo privado do navegador

(Last Updated On: 30 de abril de 2019)

Recentemente, recebi uma mensagem de um amigo me indicando um site que parecia ser muito interessante – era um fórum com discussões sobre programação. A única questão é que eu nunca havia ouvido falar desse site, então fiquei com um pouco de receio de acessá-lo.

Acontece que existem sites maliciosos por aí que visam pegar os dados de quem acessa para atacar os usuários de alguma forma. Contei meu receio para esse amigo, que então me recomendou usar o modo privado do meu navegador (também conhecido como modo anônimo). Segundo ele, dessa forma eu estaria protegido e o site não teria acesso aos meus dados.

Como eu não conhecia esse modo de navegação, resolvi me informar pesquisando antes. Afinal, como funciona o modo privado do navegador? O que ele faz?

Como os navegadores funcionam

Por padrão, é muito comum que os navegadores web mais utilizados (como Firefox e Chrome) guardem vários registros dos usuários. Quando entramos em algum site, por exemplo, ele fica armazenado em um histórico dentro do navegador.

Quando pesquisamos alguma coisa, a pesquisa também é armazenada no histórico de pesquisas. Até quando fazemos login em determinada plataforma, é comum que os navegadores armazenem os dados que nos mantêm logados, os chamados cookies.

Tudo isso pode ser recuperado e visualizado por algum usuário que acessar a web através do meu navegador, no meu computador. Por um lado, isso pode ser bastante conveniente, trazendo mais conforto na nossa navegação, com as sugestões de autocomplete e destaque dos sites que mais usamos.

Por outro lado, nossa privacidade fica, de certa forma, prejudicada. Afinal, nem sempre queremos que nossas pesquisas ou sites visitados fiquem registrados, muito menos que nossos perfis continuem abertos para qualquer um utilizar depois de nós.

Além dos registros que os navegadores web armazenam sobre nós, eles também costumam dar aos websites que entramos acesso a muitos dados particulares nossos, como o IP da nossa rede, informações sobre o software e hardware do nosso computador e até a velocidade da nossa conexão.

O desenvolvedor Robin Linus, em meio a discussões sobre privacidade na web, criou um site mostrando várias informações que qualquer site pode saber sobre você, por padrão. Nele, vemos que isso vai desde uma estimativa poderosa de nossa localização (sem necessidade de qualquer permissão de GPS, através de uma API do Google), até dados de login de redes sociais aleatórias e nível de bateria do notebook!

Se quisermos esconder algumas dessas informações, será que a opção de navegação privativa de alguns navegadores pode nos ajudar, como meu amigo havia indicado?

O que o modo privado de navegação faz

Afinal, o que é que o modo privado dos navegadores esconde? Como ele colabora com a nossa privacidade?

O modo privado dos navegadores, no geral, tem uma filosofia principal – a de não guardar dados. Isto é, aquele comportamento padrão dos navegadores de armazenar o máximo de informações possível para o conforto na usabilidade é suprimido em prol de uma privacidade mais forte.

O que acontece, então, é uma espécie de instalação temporária de uma outra instância do navegador. Quando encerramos a navegação privada e fechamos as abas, essa instalação é removida, de modo que nem o histórico, nem os cookies e esse tipo de informação ficam salvos.

No geral, esse modo de operação da navegação privativa serve apenas para esconder alguns dados de outras pessoas que possam usar o mesmo computador. Mas e quanto àquele monte de informações que a gente descobriu que os sites têm acesso através do navegador?

O que o modo privado de navegação NÃO faz

Apesar de esconder localmente algumas informações a respeito da navegação, como o histórico e informações de login (registrada nos cookies), o modo de navegação privativa não esconde nada dos sites que visitamos.

Isso significa que todas aquelas informações contidas no navegador continuam disponíveis aos sites e plataformas que acessamos online. Do IP, à localização, às informações referentes ao software e hardware utilizados pelo usuários, tudo isso ainda é acessível.

Para esconder esse tipo de informação dos sites que acessamos, outras ferramentas são necessárias – desde configurações específicas no navegador, até aplicações externas, como uma VPN, que consegue esconder seu endereço IP verdadeiro.

Consciência da efetividade

Por muitas vezes que acessamos a Internet, só queremos esconder um pouco as informações de nossa navegação. Afinal, nem sempre queremos que os outros saibam que sites andamos acessando, por diversas razões que envolvem o nosso direito de privacidade.

Nesse comum e importante caso, o modo privado de navegação, que entendemos com mais cuidado nesse post, é de muita utilidade. Entretanto, é muito importante que entendamos como essa ferramenta funciona, para não cairmos na ilusão de que ela pode fazer coisas que na realidade não pode!

A consciência da efetividade das ferramentas que utilizamos, principalmente quando tratamos de privacidade e segurança online, é essencial. Por isso, estudar e entender o funcionamento delas acaba sendo de extrema importância para todos nós!

Gostou do post? Se quiser entender mais sobre questões de segurança na web, dê uma olhada em nossos cursos na Alura!

FIQUE POR DENTRO

Desenvolvedor Python apaixonado por educação e segurança.
Explicit is better than implicit.
Twitter: @yanorestes
Email: yan.orestes@alura.com.br

Próximo ArtigoAdobe XD para UX Designers